Centro Médico de Ribeirão Preto

Amerusp - Residentes da FMUSP Hospital das Clínicas da FMUSP


   Hoje, completo 1 mês atendendo pacientes com coronavirus na linha de frente. Trabalho em uma das alas de internação e emergência do covidário do Hospital das clínicas da USP. No dia 02 de abril, eu e outros tantos colegas, abrimos mão dos programas de residência para ajudar nosso hospital em meio ao aumento enorme de demanda causado pela chegada da pandemia de COVID19 no Brasil.
   Ambulatórios e cirurgias não-emergenciais tiveram que ser remarcados e milhares de pacientes tiveram que esperar para terem atendimento pois nosso hospital inteiro se tornou um local de atendimento exclusivo de COVID.  Lá, todos nós, médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, assistentes sociais, recepcionistas, profissionais de limpeza, seguranças (e outros profissionais importantíssimos que eu talvez não tenha citado aqui) enfrentamos plantões de 12-24h nos quais arriscamos nossa saúde e de nossas famílias para atender a demanda cada vez maior de pacientes contaminados. Depois que vestimos as roupas de proteção ficamos várias horas sem poder beber água, ir ao banheiro, comer ou mesmo arrumar a máscara ou os óculos pelo risco de nos contaminarmos. Levamos nossos celulares embalados em plástico filme, com medo de carregar o vírus de volta para nossas casas. Quando chegamos em casa temos receios de abraçar ou beijar nossos familiares, com medo de sermos um veículo de infecção para eles.
   Eu estou há dois meses sem ver meus pais, meus avós, minha irmã e outros membros minha família e, sinceramente, não sei até quando vou ficar sem ver eles. Sei que essa é a situação de muitos dos meus colegas também, pois nosso medo de passar a doença para as pessoas que gostamos é maior do que a saudade que a gente sente.
   E apesar de tudo isso, nessas quatro semanas  tive apenas exemplos maravilhosos, de profissionais corajosos e com muita garra para trabalhar. Vejo o empenho de todos para que nossos pacientes tenham o cuidado mais humanizado possível e isso me enche de orgulho.
   Hoje, mais do que nunca, é um dia para lembrarmos de todos os profissionais que estão trabalhando nessa pandemia: os que trabalham em supermercados, farmácias, meios de transporte, hospitais, segurança e tantos outros que não tem o privilégio de ficarem em casa protegidos. Nesse 1o de maio fica minha homenagem pra todos vocês que se arriscam diariamente ao pisarem pra fora de casa. Feliz dia do trabalhador e muito obrigada a todas essas pessoas incríveis! #residenteportrásdasmáscara #trabalhadordasaúde #amerusp #quempuderficaemcasa #emdefesadavida