Centro Médico de Ribeirão Preto

CONFIRMADA 2ª MORTE PELO CORONAVíRUS E TOTALIZA 91 CASOS


 

São três confirmações a mais em relação ao balanço de sexta-feira (3). 
Município ainda tem 664 notificações e 86 registros suspeitos descartados

   A Prefeitura de Ribeirão Preto confirmou neste sábado (4), a segunda morte pelo novo coronavírus entre 91 casos positivos da doença, três a mais que no balanço divulgado na sexta-feira (3).
As autoridades de saúde não deram detalhes sobre o paciente que morreu. Um hospital particular da cidade divulgou a morte de um homem de 76 anos na sexta-feira em função da Covid-19, mas a administração municipal não confirmou se é esse o caso que consta no boletim epidemiológico mais atualizado ou se seria o terceiro.
   A primeira morte, confirmada em março, foi de um homem de 36 anos que tinha doenças crônicas graves.
O relatório deste sábado ainda aponta para 664 notificações da doença e 86 registros descartados.
A totalidade dos casos confirmados pela Prefeitura ainda não consta no balanço da Secretaria Estadual de Saúde, que contabiliza 24 registros até este sábado, entre 4.466 em todo o estado.
    Para acelerar os diagnósticos da doença, Ribeirão Preto conta com equipes credenciadas para exames na unidade local do Instituto Adolfo Lutz, no Hospital das Clínicas e no Hemocentro.
   Além disso, terá testes rápidos por meio de uma parceria entre a Prefeitura e startups do Supera Parque.
A administração municipal, que montou uma tenda de atendimento específico para pacientes na Unidade de Pronto Atendimento da Avenida Treze de Maio, também vai contratar mais médicos para garantir o aumento da demanda nos postos de saúde.

Isolamento social - Para conter o avanço da doença na cidade, a Prefeitura prorrogou até 22 de abril a validade do decreto de calamidade pública que restringe o funcionamento dos estabelecimentos comerciais na cidade para garantir o isolamento social.
A situação de calamidade pública foi decretada em 23 de março como medida para tentar conter o avanço do novo coronavírus e definiu restrições ao funcionamento de estabelecimentos. A previsão inicial para o fim dessas restrições no comércio era 7 de abril.
O texto inicial já suspendia, até 26 de abril, o atendimento presencial para atividades de natureza não essencial da Administração pública direta e indireta, o que fechou parques públicos e o Bosque Zoológico. (G1)